6 comentários:
De Isa_ a 24 de Fevereiro de 2009 às 16:41
é o q eu digo: mais vale dar mto a poucos, ou dar tudo a um de cada vez, do q dar pouco a mtos ao mesmo tempo...

eu p amar todos por igual, até os q me fazem mal, tenho q sair de mim, fazer de conta q n sou humana e sim um ser fantástico e distante (há kem diga "adormecido")...

mas a razao pq, mtas vezes, deixo passar as coisas, perdoo ou esqueço todo o mal, é pq guardar rancor faz-me mal ao corpo e à mente, é uma defesa natural do organismo afastar p longe o rancor...

é por isso q no passado eu nem seker me importei de n ter estado num julgamento p me defender e, acabei condenada inocentemente... apesar da dor temporária da revolta, a injustiça n se deveu a mim, n sou eu q tenho a consciencia pesada... eu simplesmente afastei-me como um pássaro q voa p um ramo mais alto... há quem diga q eu n tive suficiente amor próprio... pois bem, foi a retirada desse amor de cena q permitiu q as trevas se revelassem... sao tudo experiencias q eu levo cmg demonstrando q amar o proximo como a nós mesmos (perdoar, deixar passar, submeter-se) significa voar p ramos mais altos da arvore da vida, mesmo qd a lama junto às raizes ameaça fazer apodrecer o tronco e, é nessas alturas q observamos a total inconsciencia lá em baixo...

qd subimos os degraus da submissao, fica apenas o poder vazio dos q nos sujeitam...


De O Gato a 24 de Fevereiro de 2009 às 19:37
Eu prefiro dar tudo o que tenho a uma só Gata. Mas nunca esquecer de dar amizade a quem me dá também.
Não isso não. Nunca esqueço o mal que me fazem, é que nem pensar. Sou rancoroso, sou e não vou negar, nunca esqueço quem me faz mal, para mim os gatos são mais dignos do essas pessoas. Sou sempre aquele que está pronto para ajudar. Mas quem quer mal não vou perdoar. Mas se subiste para um ramo mais alto é porque viste que te ias afundar na lama da raiz e para subires mais alto tiveste de ter força física e psicológica para vencer. Talvez para te livrares daquilo que não querias continuar porque mais cedo ou mais tarde a morte chamaria-te. Poderam sujeitar porquê? Porque te livras-te da submissão?


BJ


De Isa_ a 24 de Fevereiro de 2009 às 21:56
sim, realmente qd n se ker continuar c uma coisa, deixa-se p tras, n se liga, faz-se de conta q n aconteceu... atirar p bem longe as pedras q se encontra pelo caminho...

qto à sujeiçao de uns seres humanos a outros é irremediavel, n há volta a dar... por ex, a repressao policial e judicial, pairando como ameaças e n como um bem, a sujeiçao aos politicos, a submissao aos patroes, a venda da alma ao poder material q compra tudo, a influencia das religioes, a impossibilidade da uniao entre judeus e cristaos, a dor de alma convertida em doença pela psicologia retrógada... tudo isso sao muros de sujeiçao q nos impedem de ir mais longe... constantemente somos bombardeados c informaçao destinada a condicionar e moldar a nossa mente... tudo isso parte de um erro na origem, q é a total falta de fé na humanidade, a convicçao de q ela precisa desses instrumentos p conseguir viver... e kem assim o julga certamente se considera superior ou melhor...

é o q eu chamo lavagens cerebrais...

n concordas?


De O Gato a 25 de Fevereiro de 2009 às 11:17
Acredita coisas que não gosto da minha vida tento por para trás das costas, errei muito na minha vida e é com esses erros que vamos aprendendo o que é a vida.
Por um lado tens razão mas nesta sociedade teremos que não fugir a esses parâmetros. Também já pensei como tu um pouco anarca sem ofença mas percebes. São parâmetros que não podemos fugir muito. Em relação há política nem falo cambada de filhos da mãe para não dizer outra coisa.
As pessoas também não se podem ir a baixo e abtrair desses males.
Por vezes é dificil de eu falar porque não sei o que se passou contigo, mas também por um lado compriendo os teus pensamentos porque quando era mais jovem também os tive.

Fica bem Beijinhos



De R.Cheiros a 25 de Fevereiro de 2009 às 15:53
E não é que tem razão...
Pela minha experiencia só posso concordar senão vejamos, o meu primeiro e único namorado foi, ou seja é o meu marido.

De casamento levamos 27 anos de namoro foram três, sim porque fui muito precoce em tudo:)

Não há amor como o primeiro e marca para sempre.
Mas sejamos realistas, há casos e casos ... Em alguns não há amor como o ultimo

Beijoca
Paula

congelado | discussão

De O Gato a 25 de Fevereiro de 2009 às 21:34
Bem já não poderei dizer o mesmo.
Mas encontrei a minha gata. Andei três anos a amar de formaa proibida e mais um de namoro e já lá contam 14 de casamento.
Também temos arranhadelas mas faz parte de um bom casamento.

Bj


Comentar post